instagram arrow-down

Sobre nós

O Liberidade surgiu com a missão de trazer luz ao cotidiano dos idosos e escrever novos capítulos de velhas histórias. Afinal, se tudo correr bem, todos vamos envelhecer. E nada melhor do que saber aproveitar a liberdade que a maturidade proporciona.

Categorias

Posts recentes

Comentários recentes

Arquivo

Meta

Vacina contra febre amarela é contraindicada no caso de idosos

Surto da doença tem assustado moradores de todo o País, mas pessoas com mais de 60 anos estão mais sujeitas a desenvolver reações adversas

O surto de febre amarela que vem sendo registrado em Minas Gerais neste início de ano já fez com que a preocupação com a doença se estendesse para os Estados do Espírito Santo, Bahia, São Paulo, Goiás, Mato Grosso do Sul e o Distrito Federal. O medo da população fez com que a vacina até mesmo se esgotasse em alguns postos, mas você sabia que idosos estão no grupo contraindicado a receber o imunizante?

+ Pacientes com Alzheimer devem ter atenção redobrada à saúde bucal

Pessoas com mais de 60 anos não devem tomar a vacina contra a febre amarela por conta do alto risco de reações adversas, alertam os especialistas. De acordo com Eduardo Hage, diretor de Vigilância de Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, o idoso que nunca recebeu as doses do imunizante deve ser avaliado por médico caso queira se imunizar.

O especialista afirma que, se a pessoa é residente de um local onde há surto da doença, por exemplo, o médico pode liberar para o recebimento da vacina, mas só se for feita uma avaliação da saúde do paciente anteriormente. “Em muitas situações é indicado considerando a relação risco ou benefício, mas de uma forma geral se evita a vacinação de idosos”, afirmou Eduardo, que participou de um “perguntas e respostas” promovido pelo Ministério da Saúde na última semana.

Crianças menores de seis meses, gestantes, mulheres que amamentam crianças de até seis meses, pacientes em tratamento de câncer e pessoas imunodeprimidas ou com doença inflamatórias crônica, doenças do timo e alergia a ovo também não devem tomar a vacina, a não ser que um especialista autorize após avaliar os riscos e benefícios.

No Brasil, apenas os mosquitos silvestres Haemagogus e Sabethes transmitem o vírus da febre amarela (Foto: Pixabay)

A vacina é a forma mais eficaz de se prevenir a febre amarela e já está no Calendário Nacional de Vacinação. A primeira dose é aplicada aos 9 meses – podendo ser aos 6 meses em caso de surto -, com um reforço aos 4 anos. Pessoas a partir dos 5 anos que nunca se vacinaram podem iniciar a imunização normalmente, mas o intervalo para a aplicação do reforço se estende para dez anos.

+ Desafio do manequim revela os desafios diários de uma pessoa com Parkinson

Apesar dessas duas doses serem suficientes para proteger a pessoa ao longo de toda a vida, elas só são indicadas para moradores de áreas de risco ou que vão viajar para esses lugares. Atualmente, são 19 Estados brasileiros na área de recomendação. O Ministério da Saúde alerta também que, neste momento, pessoas que vão viajar ou vivem nas regiões que estão registrando casos da doença – leste de Minas Gerais, oeste do Espírito Santo, noroeste do Rio de Janeiro e oeste da Bahia – devem se vacinar mesmo estando fora da área de recomendação.

Na dúvida, vale consultar um médico antes de procurar um posto de vacinação. Como a vacina contra febre amarela é fabricada a partir de vírus vivos com baixo potencial patogênico, ela pode causar reações como febre, dor de cabeça e dor muscular. Em casos mais raros pode haver hipersensibilidade, doença neurológica ou até mesmo febre amarela causada pelo próprio vírus vacinal.

  • Cadastre-se e receba nossas novidades!